Pesquisar este blog

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Encontro com Joel Weser - São Paulo - Dezembro 2013




O final de semana de 6,7 e 8 de dezembro foi marcado com a vinda do docente da Hellingerlebenschule Joel Weser. Em decorrência do quadro de saude de Bert Hellinger ele veio substituir o casal Hellinger no treinamento de São Paulo. Este treinamento dá inicio oficial à Formação para Constelador(a) Familiar segundo a Hellinger Sciencia no Brasil.



No proprio evento Joel e Matthias explicaram como funcionaria a formação no Brasil - apontando para os Seminários básicos, Seminários Práticos,Seminários de exercícios, e Training Camps, tanto aqui no Brasil como na Alemanha como maneiras de alcançar a formação basica e posterior formação de Constelador com Diploma. Maiores informações encontram-se na Website oficial de Bert Hellinger (http://www2.hellinger.com).


É sempre bom conhecer o trabalho de um novo constelador (pelo menos aqui no Brasil o trabalho de Joel Weser é novo), ainda mais profissional indicado pelo casal Hellinger.


Joel é uma pessoa com muita presença e descontraída. Utiliza diversas metáforas, encenações e demonstração com constelações para deixar claro o que está tentando demonstrar ou ensinando.

Logo ao inicio Joel contou ter falado recentemente com Bert Hellinger por Skype, e disse que este relatava estar pensando muito no Brasil. Contou que Bert passa bem, na Alemanha.

Joel reforçou que o tema do treinamento era Vida e Sucesso, e que neste periodo olhariamos para a Vida e para o Sucesso. Começou com meditações e exercicios para "aterrisar" e estar plenamente "presente". Pois apenas na presença, no aqui agora, podemos validar e usufruir das imagens e movimentos internos.

"Bleibe Jetzt da. Um Jetzt Hier und Da zu Sein!"  - Fique agora Presente. Para no Presente, estar no Aqui e Agora!

Mostrou num exercício de construção em Constelação Familiar, o que acontece quando um membro simplesmente deixa seu lugar, mesmo que na melhor das intenções. A confusão de papeis que isto cria. A desordem no pertencimento. 

Conduziu alguns exercícios em duplas e grupos de três, para que nós participantes pudéssemos acessar imagens e vivencias interiores e verificar, a partir da presença, nosso pertencimento e movimento.

No encontro de membros contou um pouco sobre sua jornada como profissional antes e depois das Constelações Familiares - seu encontro com Bert Hellinger e o efeito das Constelações em seu trabalho com Jovens em situação de risco. Conduziu tambem diversos exercicios a partir dos questionamentos levantados pelos colegas.

Diversas Constelações foram conduzidas a partir dos temas trazidos por colegas. Em alguns momentos Joel fez trabalhos individuais, sem utilizar representantes. Utilizando as imagens internas do cliente e conduzindo o trabalho a partir da fala, respiração e presença.


O evento também foi ótimo para reencontrar colegas consteladores de todo o Brasil - animados para o aprendizado e crescimento. A troca permite verificar como a constelação sistêmica tem se desenvolvido e crescido nos varios estados brasileiros e qual a temática e maneira de trabalho de diferentes colegas. Novas literaturas de Bert Hellinger e produtos voltados para a Constelação Familiar tambem estavam sendo comercializados num stand oficial.
 Seguem algumas frases/reflexões de Joel:

" Ja sagen...damit etwas neues da entsteht"
" In der tiefe sind wir alle verbinded"
"Bewegund und Veränderung findet nur in Jetzt stand"
"Die Mitte braucht ein Raum"
"Die Seele bewegt sich einfach. Aber das Kopf will immer ganz genau wissen was da passiert"  
Joel Weser

Em uma tradução livre para o portugues teriamos:

"Dizer Sim! Para que algo novo possa surgir.
Na profundidade estamos todos conectados
Movimento e transformação encontram lugar apenas no AGORA/ PRESENTE
O Centro precisa de espaço (Para ocupar o seu lugar no centro, você precisa criar este espaço, e ser consciente/presente neste/deste lugar)
A Alma simplesmente se movimenta. Mas a cabeça, esta sempre quer saber exatamente, o que esta acontecendo." Joel Weser

Agradecimentos ao sucesso deste evento à equipe organizadora e aos organizadores: Mimansa Erika Farny / Simone Arrojo / Renato Shaan Bertate


Vídeo de uma meditação conduzida por Joel Weser no International Training Camp em Bad Reichenhall - Alemanha em Novembro 2013:




quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Familias Assassinas

 
 (Genealogia dos personagens do Livro de Emily Brontë, "O Morro dos Ventos Uivantes")
 

Segue a tradução da reflexão recentemente publicada na pagina de facebook de Bert Hellinger. Lembro-me que tal reflexão, sobre as Famílias assassinas, foi feita longamente durante o ultimo evento em São Paulo, em Julho de 2013. Desta maneira, esta reflexão aqui, é um sucinto recorte de algo muito maior:

"Bert Hellinger : Isso soa cruel, mas para mim é um fato: A família é um grupo assassino. Em cada família, que eu conheço, há uma frase secreta, uma sentença de morte. Esta frase diz: "Você em vez de mim" (Você para mim). E a resposta é: "Eu ao invês de você" (Eu por você).

Essa resposta é: "Eu ao inves de você" também existe sem a frase "Você em vez de mim." Nós a tomamos imediatamente como verdade, se alguém deseja morrer.

Quem quer morrer? Sempre alguém que está preocupado. Todo pai que está preocupado com o destino da criança.

Então bastaria não ter preocupação, assim eles ficariam bem. Essa é outra preocupação. Mas a preocupação de que alguém esta mal. Esta é, naturalmente, nas mães muito frequente.

Este é um grande teatro. A preocupação é para dizer: Morra, de preferência logo, ai ficarei bem.

A família é sempre uma sociedade assassina. Tudo está encoberto sob a imagem da preocupação e do amor."


Original em alemão: 
Bert: Das klingt gemein, aber es ist für mich eine Tatsache: Die Familie ist eine mörderische Gruppe. In jeder Familie, die ich kenne, herrscht ein geheimer Satz, ein mörderischer Satz. Dieser Satz heißt: „Du für mich.“ Und die Antwort heißt: „Ich für dich.“Diese Antwort „Ich für dich“ gibt es auch ohne den Satz „Du für mich.“ Wir nehmen unmittelbar wahr, wenn jemand in den Tod will.Wer will den Tod? Immer einer, der sich Sorgen macht. Jeder Vater, der sich Sorgen macht um das Schicksal eines Kindes. Also keineswegs die Sorgen, damit es ihnen gut geht. Das ist eine andere Sorge. Aber die Sorge, dass es jemandem schlecht geht. Das ist natürlich bei den Müttern sehr häufig auch, dass sie sich Sorgen machen.Das ist ein großes Theater. Sorge heißt: Stirb, möglichst bald, dann geht es mir gut.Die Familie ist immer auch eine mörderische Gesellschaft. Alles ist zugedeckt unter dem Bild der Sorge und der Liebe.

(Tradução livre feita a partir do alemão  para o português por René Schubert)

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Pós Graduação em Educação Sistêmica




"A educação sistêmica baseia-se na inter-relação entre o sistema pedagógico, o sistema familiar e o sistema social; afinal o aluno não é um organismo isolado."


Período das aulas: Abril/2014 - Abril/2016
Carga Horária: 360 Horas
Periodicidade: Mensal (sexta, sábado e domingo)
Local: Rua do Seminário, 105 - Bairro Cristo Rei - Varzea Grande/ MT

Realização Faculdade Sedac e Instituto OCA. Apoio Espaço Conexão Sistêmica

Faculdade Sedac - http://www.sedac.org.br/

Instituto OCA - http://www.institutooca.com.br/

Inscrições: AG. Consultoria de negógios - (65) 3365-4568
Adriana Garcia - adrianagarcia.comercial@gmail.com


Revista do Constelador Brasileiro






A Revista Conexão Sistêmica Sul é a ferramenta da Editora Conexão Sistêmica para o constelador verificar o que tem de mais atual no nosso campo. Artigos Internacionais e Nacionais com autores renomados na área. A revista trás conceitos, técnicas, exercícios e possibilidades de aplicação na sua prática com o Pensamento Sistêmico, artigos sobre as áreas familiar, pedagógica, saúde, organizacional, casais e novas técnicas e tendências. Você vai se surpreender com tanta informação de qualidade.

Para adquirir a revista é fácil, realizando um deposito bancário enviamos a revista para você.

abraços,

Glaucia Paiva | Oswaldo Santucci 



Espaço Conexão Sistêmica
Rua Clodomiro Amazonas, 1099
sala 116 - Itaim Bibi - São Paulo
Telefones: 55 11 5055-8258 e
55 11 98202-4087
contato@conexaosistemica.com.br

terça-feira, 19 de novembro de 2013

O Retorno


 


"Alguém nasce dentro da sua família, da sua pátria e da sua cultura. desde criança escuta dizer quem deste contexto havia sido o modelo, o professor e o mestre, e sente um profundo anseio de ser como este.

Junta-se a pessoas com as mesmas ideias, exerce uma disciplina rigorosa durante anos e segue o grande modelo, ate que se torna semelhante a ele - pensando, falando, sentindo e tendo as mesmas vontades que ele.


No entanto, pensa ele, ainda falta algo. E, assim, empreende uma longa caminhada, a fim de, na mais longínqua solidão, talvez conseguir ultrapassar uma ultima barreira. Passa por antigos jardins, ha muito abandonados. Apenas rosas silvestres ainda florescem e altas arvores ainda dão frutos que, no entanto, caem ao chão esquecidos, pois não ha quem os queira. A seguir começa o deserto.


Logo um vazio desconhecido o cerca. Parece-lhe que todas as direções são iguais e mesmo as imagens, que as vezes ve a sua frente, reconhece logo como vazias. Vagueia como seus pés o impulsionam a frente e quando, ha muito, nao confia mais em seus sentidos ve, diante de si, a nascente. Ela brota borbulhando do chão e é, rapidamente, absorvida pela terra. Porem, nos lugares aonde chega sua agua, o deserto se transforma num paraíso.


Quando olha ao redor, vê chegar dois estranhos. Estes haviam procedido do mesmo modo. Seguiram seu modelo ate que se tornaram semelhantes a este. Tambem empreenderam uma longa caminhada para, talvez, na solidão do deserto, ultrapassar uma ultima barreira. Assim, tambem acharam a nascente. Juntos se inclinam, bebem da mesma agua e creem que ja quase atingiram sua meta. Então dizem seus nomes: "Chamo-me Gautama, o Buddha" "Chamo-me Jeoshua, o Cristo!" Chamo-me Maomé, o Profeta".


Mas ai cai a noite e, acima deles, brilham, como desde sempre, as estrelas, silenciosa e inatingivelmente longínquas. Todos emudecem e um dos três sabe que esta muito perto de seu grande modelo como nunca estivera antes. Parece-lhe que podia, por um instante, intuir o que ocorrera Aquele, quando conheceu a sensação de incapacidade, a frustração, a humildade. E como se sentiria, se também conhecesse a culpa. Parecia-lhe que O ouvia dizer: "Se eles me esquecessem, eu teria paz."


Na manha seguinte inicia o retorno, fugindo do deserto. Mais um vez, o caminho leva de passagem pelos jardins abandonados, ate que chega a um jardim que pertence a ele próprio. Diante da entrada esta um velho, como se estivesse esperando por ele. O velho lhe diz: "Quem vai tão longe e encontra como você, o caminho de volta, ama a terra úmida. Sabe que tudo que cresce também morre e quando acaba, alimenta." "SIM", responde o outro "Eu concordo com a lei da terra". E começa a cultivá-la
."

( Bert Hellinger - O essencial é simples - pag. 243 e 244)

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Movimento Interrompido

 
 
Um filho quer estar com sua mãe e seu pai, mas as vezes isto não é possível. Por exemplo, se esta enfermo e necessita permanecer no hospital e é impossibilitada a visita de seus pais. Este sofrimento e desespero são incompreensíveis para a criança. Quando isto acaba, a criança não se atreve em ir em direção a sua mãe. Este movimento é interrompido, profundamente interrompido. Esta interrupção esta associada com tanta dor, com tantas recordações dolorosas que a criança toma uma decisão interna: "Nunca mais irei para lá, não tenho chances"
 
 Bert Hellinger 

(Tradução livre a partir do espanhol por René Schubert)

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Historias de sucesso na empresa e no trabalho



 "O que significa assessoria de empresas neste livro?

A assessoria de empresas que apresento neste livro, e à qual os
conduzo, refere-se predominantemente às relações nas empresas e
na profissão e até que ponto o sucesso em nossa profissão e em
nossa empresa depende do bom resultado dessas relações. Outras
áreas que também têm um papel importante nestes sucessos, como
os conhecimentos práticos e as habilidades, permanecem no pano
de fundo.

Portanto, esta assessoria profissional e de empresas está dirigida
predominantemente às relações nas empresas, porém existe mais
uma coisa que distingue esta assessoria de empresas das assessorias
habituais. Para realizá-la, não tenho nenhum contrato de trabalho
com nenhuma empresa. Nem elas o têm comigo, nem eu com elas. As
pessoas vêm por si mesmas aos cursos que ofereço há algum tempo
sobre o tema das Leis do Sucesso nas empresas e na profissão. Elas
vêm geralmente por curiosidade e sem um problema específico em
mente. Com a ajuda das Constelações Familiares, aprendem juntos,
uns dos outros – com outros empresários e de outros empresários.

Depois retornam a suas empresas e profissões, autônomos e
independentes de mim. Continuam sendo respeitados por mim e eu
por eles, sendo cada um bem sucedido de forma independente.

A assessoria profissional e de empresas apresentada neste livro
permanece dentro do âmbito da assessoria vital no mais amplo
sentido. As histórias deste livro são biografias bem sucedidas,
acessíveis e inteligíveis para todos e também fáceis de trasladar a
outras áreas da vida.

Este livro surge da vida real. Não perde o contato com ela e narra
histórias intrigantes nas quais, às vezes, seguramos a respiração.
Narra também histórias libertadoras nas quais vivenciamos como os
passos decisivos têm êxito. Às vezes também conta histórias trágicas
onde se insinua o fracasso, que parece inevitável. Estas histórias
também mostram como algo diferente e novo pode começar a
serviço da vida: a serviço de nossa vida e a de muitos outros."


Bert Hellinger




Com este livro Bert Hellinger nos toma pelas mãos em direção a uma sabedoria que leva ao sucesso. Para o sucesso que não apenas produz, mas também executa.Desta forma vamos em frente, vivos e dedicados à vida em sua totalidade.Um livro que traz tranqüilidade e ao mesmo tempo nos entusiasma.
É o 2º. Livro da trilogia: “Ordens do Sucesso”.
http://www.atmaneditora.com.br/lancamentos/historias-de-sucesso-na-empresa-e-no-trabalho.html

sábado, 2 de novembro de 2013

Bert e Sophie Hellinger no Brasil - Dezembro 2013


Mudanças no Evento Hellinger Brasil: 

Depois de um período de doença e agora em um processo de recuperação, o estado de saúde de Bert Hellinger não lhe permite fazer uma viagem tão longa.

Mas o evento manterá sua data e local e tratá ao Brasil o docente da Hellinger® LebenSchule: JOEL WESER.

O tema do evento será: “Encontrar a FORÇA e o SUCESSO”

Joel recebeu o pedido de Bert e Sophie de vir a São Paulo como docente do curso de formação. Como todos os docentes da Hellinger® lebenSchule, Joel está sempre ao lado de Bert e Sophie Hellinger, diretamente NA FONTE. Ele é um acompanhante constante desde o início do trabalho da Nova Constelação Família no contexto do curso de Formação para Consteladores .




Queridos amigos no Brasil,

Para Bert e Sophie Hellinger é uma alegria, um chamado interno e uma honra de estar atuando no Brasil. Os seminários no Brasil possuem uma alta intensidade.

Segundo as afirmações dos participantes uma nova consciência desperta através desse trabalho neste país. Pessoas sofridas experienciaram alívio e cura. De repente, caminhos que levam para fora de perigos e crises apareciam visíveis e os participantes vivenciaram novas oportunidades de ação.

Nós estamos prontos para levar este movimento para frente, junto com cada um individualmente e para o Brasil inteiro.

Você é muito bem-vinda(o) para fazer a experiência da Nova Constelação Familiar em dezembro juntos com os Hellingers, para aprofundar conhecimentos, ganhar novas compreensões e, através disso, se tornar uma parte importante e ativa de um campo curativo, dissolver emaranhamentos pessoais e chegar a um melhoramento fundamental para a própria vida:

Bert / Olhar para Dentro da Alma
O evento acontece nos dias 6, 7 e 8 de Dezembro.
Centro de Convenções Frei Caneca – 6º andar
Rua Frei Caneca, 569, Consolação, 01307-001, São Paulo/SP – Brasil

Para se inscrever:  http://www.eventohellingerbrasil.com/contato/

 

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Workshop Constelação Familiar na Vila Mariana/SP

 "Aquilo que rejeitas te aprisiona, aquilo que reconheces, te liberta!"      Bert Hellinger
                                                                                                                  



23.11.2013 - Workshop de Constelação Familiar na Vila Mariana
Vagas Limitadas a 10 lugares apenas.
Horário: 15 às 20 horas (com Coffee Break)
Inscrições: (11) 9 9779 1208 ou pelo email: constelacaofamiliar@hotmail.de
Endereço: Rua Coronel Oscar Porto, 1233 - Vila Mariana

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Revista Conexão Sistemica Sul


Revista com artigos nacionais e internacionais voltados para as Constelações Sistêmicas Familiares, Organizacionais, Pedagogia Sistêmica e metodologia e filosofia Sistêmica.

Lançado em outubro 2013 a terceira edição!

Importante material de divulgação e aprofundamento das temáticas e abordagens voltadas às Constelações Familiares.


Como adquirir:
Espaço Conexão Sistêmica
Rua Clodomiro Amazonas, 1099
sala 116 - Itaim Bibi - São Paulo
Telefones: 55 11 5055-8258 e
55 11 98202-4087

terça-feira, 22 de outubro de 2013

O Mundo das Constelações




"Escrevemos para mais de 60 consteladores do espaço alemão e internacional e pedimos que descrevessem e reproduzissem um recortte signicativo de seu trabalho e também que apresentassem reflexões teóricas ou práticas importantes para eles"

O Mundo das Constelações - 31 Perpectivas Internacionais
Editora Conexão Sistêmica -  http://editoraconexao.mercadoshops.com.br/
Conexão Sistêmica -  http://conexaosistemica.com.br/home/


Espaço Conexão Sistêmica
Rua Clodomiro Amazonas, 1099
sala 116 - Itaim Bibi - São Paulo
Telefones: 55 11 5055-8258 e
55 11 98202-4087




 

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Indicação de Filme: Intrusos ( Intruders, 2012)


SINOPSE: Duas histórias paralelas. De um lado Juan, um garoto de 7 anos, está prestes a ir dormir. Sua mãe, que estava brincando com o filho antes de levá-lo para a cama, faz o alerta "Nada de sonhar com monstros essa noite". Mas dessa vez Juan tem certeza de que não é um sonho:O ser que o persegue e tenta levá-lo é muito real. 
Do outro Mia, de 12 anos, encontra um misterioso manuscrito e o lê para seus colegas de escola. Isso dá origem a uma série de situações assustadoras, a qual ela não esperava.Ambas as crianças parecem estar sendo atacadas pelo mesmo monstro e a história se desenvolve alternando a narrativa entre Juan e Mia.


Apesar de ter todo o clima de suspense e aparente personagem de terror, este filme aborda de forma muito clara nossos monstros internos - os segredos de família e suas consequências na mente infantil. A forma como um simbolo é passado de uma familia para outra, a partir de seus elos mais frageis, as crianças!
 

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

O rio nunca olha para trás - Dra. Ursula Franke-Bryson


Fundamentações históricas e práticas das Constelações Familiares segundo Bert Hellinger. Esta obra, agora traduzida para o português, fornece uma visão histórica sobre a base da Constelação Familiar. A autora define a terminologia central do método e apresenta um modelo que tenta explicar a eficácia das Constelações e lida com um grande numero de perguntas que surgem na prática. O livro dá ao leitor uma visão do processo usado no decorrer de uma Constelação, partindo da hipótese inicial do terapeuta, para alcançar a fase de resolução esperada no processo. A Dra. Ursula Franke Bryson explica, de forma didática, o passo-a-passo da aplicação na terapia individual e discute as possibilidades e limitações do uso das constelações neste contexto.




"O Rio nunca olha para trás" fornece uma visão historia geral bem fundamentada sobre os precursores da Constelação Familiar. Franke define a terminologia central destes métodos. Além disso, ela apresenta um modelo que tenta explicar a eficácia das Constelações e lida com um numero de perguntas que surgem em sua pratica. A seção empírica do livro da uma visão do processo usado no decorrer de uma constelação, partindo da hipótese inicial do terapeuta para a fase de resolução. A autora explica o passo-a-passo da aplicação na terapia individual, e discute as possibilidades e limitações do uso das Constelações neste contexto. (Sinopse Editora Conexão Sistêmica)

O rio nunca olha para trás - Fundações históricas e praticas das Constelações Familiares segundo Bert Hellinger


Dra. Ursula Franke-Bryson
Editora Conexão Sistêmica

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Constelação Familiar e Figuras - Jakob Schneider







Constelações utilizando figuras com clientes individuais 
por Jakob Schneider (Tradutor Rodrigo Diego Ramos)

As Constelações Familiares e Empresariais se tornaram bem conhecidas como um trabalho de grupo. Este trabalho, assim como as áreas afins do trabalho sistêmico orientado às soluções e da psicoterapia fenomenológica, alcançou uma importância fundamental nas áreas psicossociais e também em diversas abordagens da terapia individual.
Existem muitos terapeutas e facilitadores atuando em situações que não permitem o trabalho de uma Constelação com grupos. Também existem terapeutas que podem não se sentir confortáveis para trabalhar grupo. Entretanto, muitos desses profissionais se sentem profundamente atraídos aos conceitos e ferramentas implícitos no trabalho de Constelação e procuram por maneiras de integrar essa abordagem em seus trabalhos individuais, de casais e famílias, ou talvez até na supervisão de pequenos grupos. O trabalho de Constelação com Figuras ou objetos proporciona um método simples e direto. As figuras, representando um membro familiar ou pessoa significativa no sistema em questão, são dispostas em uma mesa ou um espaço definido do local de trabalho.

As figuras

O que se segue é baseado na minha experiência pessoal com Constelações com Figuras. Pouco após a minha primeira experiência com as Constelações Familiares de Bert Hellinger e minhas primeiras tentativas para trabalhar com esse método em grupos, eu peguei uma sacola com os Playmobils do meu filho, que há tempos foram relegados ao porão de minha casa. Eu comecei a carregá-los comigo para os lugares em que eu não tinha o apoio de um grupo para os meus trabalhos de terapias e aconselhamentos. Dentre estes lugares estão inclusos um centro de aconselhamento de famílias e casamentos, uma clínica psicossomática, pequenos grupos de supervisão e minhas próprias práticas privadas.
Eu estava compelido de alguma forma a proceder na direção das Constelações. Após minha primeira experiência com Constelações Familiares em grupo eu já estava certo que esse seria o “meu” método e a “minha” maneira de fazer terapia, seja em grupos ou com indivíduos. Utilizar as figuras Playmobil foi algo que aconteceu muito naturalmente, sem precisar de muita consideração. Elas estavam disponíveis, eram práticas, fáceis de carregar e possuíam poucas variações entre elas: simplesmente homens e mulheres em várias combinações de cores.
Graças a Deus que eu não perguntei a ninguém sobre isso neste período, de modo que me foi possível ganhar experiência com as figuras sem nenhuma opinião ou objeção externa. Nessa época, eu não tinha certeza de que ainda era possível comprar essas figuras Playmobil mais simples. Entretanto, o tipo de figura utilizada não é terrivelmente importante. Existe disponível no mercado, por exemplo, um “quadro familiar” com figuras de madeira.
Contudo, existem alguns critérios que eu considero importantes na escolha de suas figuras:
  • Elas devem ser figuras com as quais o terapeuta possa trabalhar confortavelmente. Não se preocupe se os clientes irão aceitá-las. Se o método e as ferramentas estão certos para o terapeuta, os clientes quase certamente irão concordar;
  • As figuras devem apresentar o mínimo possível de “personalidade”, diminuindo assim quaisquer preconceitos e distrações quanto ao não essencial. As figuras não são importantes em si, mas apenas uma projeção espacial dos membros do sistema.
Trabalhar com figuras é mais fácil se estas permitirem algumas distinções básicas. Por exemplo: entre homem e mulher, alguma forma de indicar a direção em que a figura olha, talvez cores ou alguma marca que diferencie uma pessoa de outra. Usar figuras menores para representar crianças pode ser uma distração uma vez que isso pode sugerir uma fixação temporal na infância do elemento, removendo a característica “atemporal” do trabalho de Constelações.

Experiências anteriores com grupos de Constelações

Eu trabalho principalmente com grupos e meu uso de figuras em trabalhos individuais é baseado totalmente nos meus trabalhos de Constelações em grupos. Eu não consigo me imaginar fazendo Constelações com Figuras sem alguma experiência com Constelações em grupo. Eu acredito que é necessário que um terapeuta possua experiências com Constelações em grupo para trabalhar com Constelações com Figuras. Essa experiência não necessita ser a de trabalhar em grupos diretamente como constelador. Eu recomendaria ao terapeuta assistir a uma Constelação em grupo trabalhando uma questão sua, observar trabalhos de Constelações Sistêmicas e vídeos de Constelações que dão algumas impressões de como são as Constelações. Conheço terapeutas e facilitadores que trabalham com figuras sem nunca terem trabalhado com um grupo de Constelação, mas eu nunca soube de alguém que tentou trabalhar com figuras sem ter visto uma Constelação em grupo.
Na próxima seção, entrarei em detalhes sobre quando uma Constelação com Figuras é apropriada, como eu introduzo o método ao cliente e como eu trabalho em uma sessão individual utilizando as Constelações com Figuras. Em seguida, abordarei os riscos e oportunidades inerentes deste método e, finalmente, tratarei sobre as Constelações com Figuras e o valor dessa abordagem no trabalho de “alma”.

O lugar das Constelações com Figuras na terapia

 O aconselhamento e a terapia dão suporte a processos que se movimentam para uma solução. Tais processos podem aparecer em uma variedade de formas.
Primeiramente, existem problemas que podem ser solucionados por mudanças no comportamento do cliente, através de aprendizado, criatividade e espiritualidade. Neste caso a preocupação é, até certo ponto, com algum tipo de atividade mental que libere o cliente de pensar e agir de maneiras que bloqueiam a solução.
Há também a área dos traumas, as feridas profundas que geralmente se relacionam com amores interrompidos, movimentos não concluídos de aproximação à mãe, ao pai, outra pessoa importante ou até mesmo à própria vida. Estas feridas traumáticas frequentemente nascem de experiências da infância e podem ser resolvidas por um processo retroativo de cura da alma entre a criança e aquilo que é essencial à sua vida.
Finalmente, existe uma vasta área de conexões e liberações nos relacionamentos. Problemas podem aparecer em uma conexão profunda de uma pessoa a um destino comum e suas consequências, primeiramente dentro da sua família e das pessoas próximas a ela. A solução é encontrada através de insights dentro das Ordens do Amor.
O trabalho de Constelações se foca nos processos de conexões e liberações na alma. As soluções emergem através do olhar para todo o sistema de relacionamentos. Todos no sistema possuem um direito igual de pertencimento e deve ser permitido a todos ocupar o seu lugar de direito. Cada um dos integrantes do sistema carrega seu próprio destino por conta própria, evitando meter-se no destino alheio. Todos os membros do sistema devem permitir que os acontecimentos do passado permaneçam realmente no passado. O trabalho de Constelações se relaciona com vida e morte, boa e má sorte, saúde e doença, sucesso ou fracasso nos relacionamentos, pertencimento e exclusão, dar e tomar, recompensa e débito e também com autoafirmação como contraponto a ser apenas um instrumento, sujeito às influências do sistema.
Em essência, existe um critério que indica quando uma Constelação Familiar pode ser um método útil: sempre que existir algo na “alma do grupo” que deseja ordem, paz ou conclusão; quando emaranhamentos estão atrapalhando um processo de solução ou quando uma dificuldade no destino familiar se mostra um fardo.

Procedimentos na Constelação com Figuras

Muitos terapeutas e facilitadores desejarão integrar as Constelações Familiares utilizando figuras com sua própria maneira de trabalhar e com suas próprias orientações terapêuticas. Para mim, quando existem problemas nas conexões e liberações, eu normalmente faço uma sessão na qual o trabalho se concentra inteiramente na Constelação com Figuras. Existe, entretanto, uma infinidade de maneiras disponíveis para trabalhar.
Existem certos elementos importantes ao proceder com uma Constelação com Figuras. Assim como nas Constelações em grupo, é essencial que, em uma sessão individual, a Constelação lide com uma questão séria e que seja trazida pela energia do cliente. O terapeuta depende dessa energia que leva à solução e também depende do “peso na alma” do cliente em relação à questão trazida. Como um ponto de partida, perguntas sobre a natureza do problema e sobre qual seria uma boa solução dão clareza e força, que são cruciais ao sucesso de uma Constelação Familiar. O terapeuta e o cliente necessitam saber desde o princípio onde direcionar suas energias. Ambos podem sentir o movimento da “alma do grupo” que irá levar seus esforços a uma boa solução.
Frequentemente, o problema real do cliente e a força que pode influenciar positivamente o movimento à solução estão escondidos no início de uma sessão individual. É então necessária uma condução no trabalho das Constelações e no processo da alma que dá suporte a esse trabalho. Esta condução deve ser curta, afastando distrações ou outros problemas não essenciais, trazendo energia e atenção aos processos familiares fundamentais e construindo a confiança no trabalho em conjunto (constelador e cliente). Eu costumo comentar brevemente sobre a minha maneira de trabalhar, sobre emaranhamentos nos sistemas familiares, crises nos relacionamentos e sobre o que eu irei procurar na Constelação. Se eu já possuo alguma idéia de onde nosso trabalho pode se encaminhar, eu posso contar uma ou mais histórias de outros casos que são apropriadas ao trabalho em questão. Se eu não possuo nenhuma sensação da direção de encaminhamento do trabalho, pode ser útil utilizar uma variedade de exemplos curtos e prestar atenção às reações dos clientes.
Em uma Constelação, a base para um passo que leva a uma solução é construída a partir de informações relevantes: os eventos mais importantes na história familiar (da família atual e/ou da família de origem) e os destinos dos familiares e pessoas próximas. Estas informações e a maneira com que o cliente as expressa geralmente leva a um movimento profundo no sistema de relacionamentos e também leva a um vislumbre do amor, do respeito e dos emaranhamentos que atuam no sistema. Ou então você pode sentir imediatamente qual informação possui força e qual não possui. Se algo importante foi omitido ou se o cliente não possui alguma informação crucial.
Esta troca de informações é dialógica e ambos (o cliente e o terapeuta) necessitam estar em contato com a “alma do grupo”. Este processo reside no essencial e existe a serviço da solução, que pode ser alcançada apenas com respeito e aceitação aos eventos e destinos envolvidos.
O núcleo do trabalho orientado à sistêmica é a própria imagem da Constelação: encontrar a dinâmica do sistema de relacionamentos (na verdade, se permitir ser tocado por esta dinâmica), reorganizar as posições das figuras em uma “imagem da solução” e falando as frases apropriadas para conexões e liberações.

Introduzindo as Constelações com Figuras

Quando alguém já viu ou experimentou uma Constelação Familiar em grupo ou conhece os livros ou vídeos de Bert Hellinger, geralmente não se faz necessária uma introdução às Constelações com Figuras. Você pode simplesmente pedir ao cliente que posicione seus membros familiares utilizando as figuras. Nestes casos, assim como faço com pessoas que não conhecem Constelações, eu utilizo como referência o trabalho de Constelações em grupos e explico brevemente como ocorre uma Constelação dentro de um grupo. Para mim, o trabalho fica mais simples se utilizo as figuras da mesma forma que trabalharia com os representantes.
Após estabelecer uma conexão entre a Constelação com Figuras e a Constelação em grupos, eu determino com o cliente quais pessoas são (inicialmente) importantes para a Constelação e trago as figuras à mesa. Então, eu peço ao cliente que posicione as figuras umas em relação às outras, sem falar ou me explicar nada, de acordo com a sua imagem interna, sem considerar qualquer ordem cronológica ou outra justificativa, mas apenas da forma que ele se sinta bem. Na maioria das vezes o cliente “monta” a Constelação sem nenhuma dificuldade.
Quando surge algum problema nesses passos iniciais, eles geralmente não são diferentes do que acontece em um grupo. Talvez não seja o momento certo para fazer uma Constelação pois o cliente ainda não está pronto internamente, talvez o cliente não confie o suficiente no método ou no terapeuta ou então o foco da Constelação para a questão trazida seja diferente (por exemplo, na família de origem ao invés da família atual, ou vice-versa).
Isso revela uma das grandes desvantagens da terapia individual quando comparada ao trabalho em grupo. Em um grupo, você pode trabalhar primeiramente aqueles que estão prontos. Outros clientes, que podem estar reticentes, indecisos ou em dúvida, acostumam-se vagarosamente ao trabalho, assistindo os processos de outras Constelações ou atuando como representantes no sistema familiar de outra pessoa. Eles podem dar o tempo necessário aos seus processos internos.
Se o posicionamento das figuras se prova muito difícil para o cliente, algumas vezes eu as coloco de acordo com o que sinto como certo a partir da informação que tenho. Eu então peço ao cliente para corrigir minha Constelação. Se você tem a impressão de que a Constelação foi montada a partir de uma idéia ou se, de alguma forma, não corrobora a informação dada, ou se todas as figuras estão alinhadas olhando para o cliente (e não sua figura representada no sistema), você pode pedir ao cliente para verificar a Constelação novamente.
A última dificuldade mencionada, as figuras alinhadas olhando para o cliente, ocorre repetidamente em meus atendimentos, mas é facilmente corrigida. Lembre ao cliente que ele(a) já está representado por uma figura e que a Constelação tem de refletir os relacionamento de uma pessoa com as outras da família.

Trabalhando com uma Constelação com Figuras

Uma Constelação com Figuras serve para revelar os emaranhamentos dos clientes no seu sistema familiar e para tornar claras as conexões e soluções do sistema. Permite ao indivíduo tomar o seu lugar apropriado na rede de relacionamentos, uma posição que é possível tomar honrando e respeitando a ambos os pais. A Constelação permite que a pessoa libere com amor, que veja o que é necessário deixar ir em paz e que tome qualquer um que tenha sido excluído no sistema de volta ao seu lugar de direito e em seu coração.
A dinâmica das conexões e soluções tem de ser explicitada pelas Constelações com Figuras sem a ajuda dos sentimentos ou feedbacks dos representantes, uma vez que as figuras não sentem e não falam. É tarefa do terapeuta ou facilitador sentir o sistema e expressar os sentimentos que refletem a dinâmica familiar. Naturalmente, você pode pedir ao cliente para ele mesmo faça isso, o que algumas vezes resulta na experiência do “Aha!”. Em minhas práticas, entretanto, os clientes geralmente estão cegos às dinâmicas familiares fundamentais. Eles trazem um entendimento inconsciente do processo, do contrário eles não poderiam montar a Constelação de maneira apropriada e o terapeuta não conseguiria “sentir” o sistema, mas esse conhecimento inconsciente é velado. A tarefa do terapeuta, como observador externo, é ajudar a “alma do grupo” do cliente abrir-se de forma que aquilo que está escondido seja revelado e dito abertamente.
Desde o princípio, eu apresento o conceito de Constelação em grupo como nosso ideal de trabalho e baseio meus comentários sobre dinâmicas familiares no processo em grupo. Como um observador externo, eu falo de meus sentimentos e sensações no papel de cada membro familiar em sua posição apresentada. Isto é, eu não afirmo sobre como os membros familiares se sentem em certa posição, mas sim do que os representantes destes membros provavelmente sentiriam. Eu faço isso porque desta forma o cliente possui algum distanciamento da sua experiência dominante com os membros de sua família e porque isso dá ao cliente e a mim mais liberdade para experimentar e tomar o que puder ser visto na Constelação. Também me facilita quando for necessário corrigir o que foi dito e circundar resistências. Se o que digo sobre a dinâmica familiar e os sentimentos dos representantes tem ressonância e toca algo profundamente, o cliente estará em contato com sua família em um transe de maior ou menor intensidade.
Enquanto falo, eu presto atenção às reações do cliente. Algumas vezes eu pergunto se minhas sensações parecem corretas e se fazem sentido ao cliente. Quando eu tenho sucesso em sentir o sistema e suas dinâmicas, o cliente está “ganho” e geralmente nada mais irá ficar no caminho do trabalho em direção a uma boa solução. Muito frequentemente um cliente me pergunta estupefato: “Como você sabia disso?”.
Na próxima etapa, eu continuo trabalhando com as figuras assim como faria em uma Constelação em grupo. Então mudo as posições das figuras e digo em voz alta as mudanças que ocorrem nas dinâmicas e sensações, até que consigamos ver aquilo que está tentando se revelar. Eu continuo desta forma até nós chegarmos a uma imagem da solução. Quando eu estou certo, por conta de meus próprios sentimentos ao ser tocado e também os sentimentos do cliente, eu simplesmente fico com aquilo que emerge e digo ao cliente. Se eu não sinto certeza, eu interrompo o processo e pergunto o que o cliente sente, em relação a si mesmo e aos membros de sua família ao olhar para os movimentos das figuras. Eu peço mais informações ou tento posições diferentes das figuras para determinar qual parece ser a mais correta. Eu continuo até que a dinâmica e a solução são reveladas de maneira suficientemente clara.
Eu peço ao cliente sentir a posição da solução e me contar como é essa sensação. Eu observo para averiguar se esse lugar traz alívio ao cliente e se parece curar, solucionar ou tranquilizar. Algumas vezes, eu paro a Constelação com Figuras neste ponto.
Eu geralmente faço uso de frases de solução que podem ser faladas em Constelações em grupo quando o cliente substitui seu representante na Constelação, ou uma frase que o representante pode falar diretamente ao cliente. Eu faço isso quando o cliente está com dificuldades em tomar o seu novo lugar no sistema, quando a solução que encontramos ainda não “assentou” ou parece necessitar de mais aprofundamento ou elucidação.
Frequentemente, a parte mais importante do processo em uma Constelação com Figuras – assim como nas Constelações em grupo – é ser tocado pelas frases que revelam a profundidade das conexões e ser tocado, também, pelo alívio e a liberação das frases de força. Muitas vezes eu peço ao cliente falar as palavras apropriadas, internamente ou em voz alta, e imaginar ou até mesmo fazer alguns gestos como, por exemplo, o movimento de se curvar em reverência.
Caso eu não sinta meu caminho dentre as dinâmicas do sistema, se eu não tenho nenhum sentimento pelos membros familiares representados pelas figuras ou pelas dinâmicas apresentadas, ou se o cliente permanece indiferente à minha “imagem” da rede de relacionamentos, então eu interrompo o processo de Constelação e busco mais informações, conto histórias curtas ou simplesmente interrompo o trabalho.

Riscos e oportunidades nas Constelações com Figuras

Os perigos e equívocos que podem ser feitos durante a execução de uma Constelação com Figuras são basicamente os mesmos presentes ao constelar com grupos:
  • Trabalhar sem o cliente estar realmente pronto para a Constelação ou trabalhar sem a força do cliente;
  • Seguir um padrão pré-determinado que não permita que nada novo e diferente surja;
  • Trabalhar com muita informação ou faltando alguma informação crucial;
  • Ser influenciado por padrões visuais ou associações que não encontram harmonia na alma.
A principal deficiência das Constelações com Figuras, comparada com uma Constelação em grupo, é que não é possível a um terapeuta entrar em contato com as dinâmicas do sistema através das declarações dos representantes. Em casos difíceis, com dinâmicas novas ou incomuns, isso é crucial. Por exemplo, se uma pessoa em um sistema é atraída a sair em favor de outro membro, isso geralmente não se mostra de maneira clara na Constelação. É na fala dos representantes que esse tipo de dinâmica pode ser evidenciada. Se um terapeuta suspeita de algo desse tipo, é mais fácil de verificar em um grupo. A energia e a participação dos membros do grupo observando a Constelação também dão indicações importantes sobre a precisão dessas hipóteses.
Essas dificuldades, entretanto, não são críticas. As dinâmicas da “alma de grupo” do cliente não são reveladas pelos representantes, mas sim pela própria alma do cliente. Em um atendimento individual também é possível sentir força quando uma hipótese traz algo essencial à luz.
O último critério é uma sensação de harmonia e a sensação de ambos, o terapeuta e o cliente, serem tocados. Isso pode ser muito surpreendente em uma Constelação com Figuras. O terapeuta vê a solução através de uma compreensão direta do cliente. Compreensão significa tomar aquilo que emerge das profundezas. A antiga palavra grega para “verdade” significa aquilo que não está oculto da visão. Aquilo que se desemaranha e é solucionado, geralmente vem de maneira inesperada e silenciosa. Nos toca, serve à paz e favorece o movimento. Honra e é benéfica a todos do sistema.
Constelações com Figuras também são uma oportunidade de trabalho para terapeutas ou facilitadores que não se sentem competentes para lidar com processos em grupo. Um grupo de Constelação pode tomar uma dinâmica própria, que não serve ao sistema do cliente, se este grupo não possuir visão, percepção precisa e o terapeuta não possuir certa capacidade de liderança. Uma Constelação com Figuras também evita o perigo de representantes trazerem seus próprios problemas pessoais à Constelação. O preço para o controle dos fatores citados é que, concomitantemente, existe menos controle sobre os preconceitos e “pontos cegos” do próprio terapeuta e, em uma prática individual, um terapeuta pode ser mais vulnerável aos caprichos do cliente (algumas vezes de maneira considerável).

Constelações com Figuras e o Trabalho da Alma

Em Constelações em grupo, aqueles que são posicionados na Constelação estão em ressonância com a alma do sistema. Figuras não conseguem fazer isso. Elas permanecem objetos representativos cuja função é a visualização. Você não precisa pedir a uma figura para sair de seu papel ao final da Constelação.
Constelações com Figuras podem ser limitadas a uma representação visual, que é como trabalhei em meus primeiros anos. As figuras providenciam uma ponte visual, uma descrição gráfica do que está em discussão, um método que talvez permita sugestões indiretas. Tudo isso pode ser muito útil, mas uma Constelação pode oferecer mais. É incrível como ela estabelece um espaço para alma onde a “alma do grupo” pode ter ressonância. Essa ressonância é transferida ao terapeuta e ao cliente.
O trabalho de Constelações não se trata apenas de trabalhar com imagens visuais. Ele nos toca profundamente e nos comove porque dá dimensão a essas imagens. Imagens espaciais são diferentes de imagens bidimensionais planas, não apenas em evidenciar a correta dimensão dos relacionamentos mas principalmente porque permitem que algo surja através da imagem. Aquilo que se mostra é algo difícil de descrever e não é visível ao se olhar apenas para a imagem. O que surge é um campo de ressonância.
A ressonância do cliente e do terapeuta com a “alma de grupo” e suas dinâmicas não vem das figuras, mas através delas. Ao mesmo tempo, a Constelação com Figuras dá suporte ao processo terapêutico que é externalizado e se afasta de pensamentos internos e idéias. O processo se situa mais próximo da realidade do que simplesmente quando o cliente e o terapeuta “falam sobre o assunto”.
A profundidade surpreendente da sensação de ser tocado não vem somente da Constelação. A “ressonância” é também algo conectado por palavras: palavras que refletem verdades básicas, palavras que esclarecem, palavras de conexão e “desemaranhamento”, palavras de amor e de força. As experiências profundas e comoventes também surgem de gestos, uma expressão física dos movimentos da alma.
Trabalhar com figuras tem um efeito profundo apenas quando é considerada além dos aspectos visuais e vai ao campo da rede de relacionamentos, quando é permitida que a força desse campo penetre e revele os gestos e palavras de cura e solução.

O valor das Constelações com Figuras como um método

Qualquer um que está convencido da profundidade de alcance dos processos em sistemas familiares e na alma pode, é claro, trabalhar a caminho das soluções sem Constelações, grupos ou figuras. Apenas através da consciência de fatos e eventos essenciais e permanecendo em harmonia com a alma da pessoa que solicita ajuda em suas questões. Entretanto, tais métodos normalmente facilitam o trabalho do terapeuta e também dão ao cliente acesso ao que é essencial e crucial.
Os processos de Constelações coletam informações, estruturam os processos e focam a atenção. Ao usar as Constelações, é mais fácil para o cliente e o terapeuta experimentar uma jornada, abertos ao que emergir das profundezas. Eles se juntam em um espaço na alma do cliente, apenas pelo período necessário, para encontrarem uma solução. Em uma Constelação com Figuras e na imagem da solução o cliente experimenta algo que pode ser levado para casa – algo que continua a trabalhar na sua alma e frequentemente se desdobra em sua potencialidade apenas após certo período.
Talvez seja algo análogo a uma performance de teatro. Apenas ler a peça pode me deixar enfeitiçado, mas a performance no teatro é geralmente uma experiência mais profunda e impressionante. Isto é verdade, entretanto, somente quando a performance se mantém fiel à essência da peça, à realidade e à uma transformação da audiência.





·         Título Original: Using Figures for Family Constellations with Individual Clients
·         Autor: Jakob R. Schneider
·         Tradutor: Rodrigo Diego Ramos
·         Fonte: www.constellationset.com/pdf/schneider.pdf  /  http://www.constelacoessistemicas.psc.br/textos/constelacoes-utilizando-figuras-tipo-playmobil
·         Publicado originalmente em: Weber, Gunthard (Ed.) (2000): Praxis des Familien-StellensBeiträge zu Systemischen Lösungen nach Bert Hellinger. Heidelberg (Carl- Auer-Systeme)